Narrativa russa chega ao seu ápice… da estupidez

Modo Noturno

Se você acompanha levemente os famosos canais de notícia americanos deve estar pensando que o Presidente Trump está completamente encurralado. Que o escândalo de reunião de seu filho Donald Trump Jr. com uma advogada russa é realmente uma “bombshell”(clique aqui pra se inteirar sobre essa história), a prova definitiva de que essa história toda de colusão com a Rússia para interferir na eleição de 2016 é verdade.

Como eu já expliquei no artigo linkado acima, isso não somente é uma mentira, como ainda serve pra mostrar como a mídia vem se perdendo na busca por comprovar a narrativa empacotadinha que eles receberam do comando do partido democrata logo após Hillary Clinton perder a eleição. É fácil explicar por que eles estão levando tão a sério um caso tão trivial e, diga-se de passagem, 0% ilegal. É a primeira vez que Trump e seu círculo mais próximo – a família – são ligados diretamente com russos. E não só por rumores ou relatos, mas por imagens, fotos e emails.

O que importa é a semiótica. Ver Trump ao lado de pessoas russas, não importa quem sejam, é o suficiente pra pintar uma sombra de verdade na mente de espectadores indecisos. Não importa que a relação com o magnata da construção Aras Agalarov sempre foi pública, fruto de uma parceria de negócios, o que importa é que ele é russo e Trump pode ser visto apertando a sua mão, logo, Putin.

A última tática esdrúxula veio da NBC News, que pintou um vídeo da festa de aniversário do magnata russo em 2013 – que Trump foi um dos convidados – como uma “BOMBA EXCLUSIVA”. Um vídeo público, de uma festa que ele nunca negou ter ido. Mas como é em Moscou e em uma das passagens, enquanto socializava com convidados, Trump pode ser visto dizendo “Eu adoro os russos”, É MAIS UMA PROVA.

Sim, pessoas quando visitam países estrangeiros elogiam seu povo, sua cultura. Todos fazemos isso, principalmente figuras públicas. E principalmente homens de negócio que buscam ganhar dinheiro naquela região. Mas, é aquilo né, PUTIN.

O Nightly News, telejornal noturno da NBC, que divulgou o vídeo ainda teve a cara de pau de emendar a história falando da reunião de Trump com Putin no G20, contando é claro com os comentários de um “expert sobre a Rússia” dizendo que o resultado da reunião foi o melhor possível para a Rússia, não os Estados Unidos.

De novo, não importa o conteúdo da matéria, o que importa é a semiótica. Emendar um clipe de Trump socializando dizendo “Eu amo os russos” com um expert aludindo a uma possibilidade de que ele beneficiou a Rússia na reunião do G20 é uma manobra pré-meditada e deliberada com o único objetivo de passar uma mensagem explícita para o espectador: Trump = Rússia. Não importa se todos os indícios são extremamente frágeis e circunstanciais, que praticamente tudo é facilmente explicado dentro de um ambiente de negócios. Se você ouvir Trump, vai ouvir Rússia. E vai ser assim até acreditar no conto de fadas que te passaram. Ponto final.