Covfefe! Covfefe! Covfefe!

Modo Noturno

O quão frágil pode ser o estado mental de uma oposição e mídia aparelhada? Quando um simples erro de digitação no Twitter é capaz de inspirar as mais insanas e hiperbólicas, pra não dizer histéricas, reações. Eis o que aconteceu: Trump fez um tweet antes de dormir, por volta da meia-noite, criticando mais uma vez a cobertura de sua presidência pela imprensa – “Despite the constant negative press covfefe”. O exótico termo, covfefe, claramente é um erro de digitação, provavelmente Trump quis dizer “coverage” (cobertura).

Enquanto o presidente dormia, a repercussão estourou. Pessoas foram desde ridicularizar o erro a gritar que aquilo provava que o mandatário não estava em suas plenas faculdades mentais e deveria ser retirado do cargo através da 25ª emenda. Ao acordar, Trump deletou o tweet e completou o meme.

“Quem consegue descobrir o significado de “covfefe”??? Aproveitem!”, diz o tweet, num tom de brincadeira. Mesmo assim, a histeria continuou, com contas verificadas no Twitter desafiando a sanidade de Trump, enquanto jornalistas, como o odioso Chris Cilliza, usavam o termo para traçar um extenso perfil psicológico do presidente. Enquanto muitos aproveitaram o meme, outros não conseguiam esconder a fúria – basta acessar o tweet acima e ler as milhares de respostas.

Mas por quê? Por que o simples erro de digitação – você sabe, essa coisa que absolutamente todo ser humano no planeta com um smartphone comete diariamente – humanizou o malvado exterminador do futuro russo Donald Trump. Todos nós já fizemos um erro desses e muitas vezes só notamos depois, quando apagamos o post ou a mensagem com uma pequena vergonha interna, esperando que ninguém tenha notado ou se importado. Trump, porém, com a conta de mídia social mais vigiada do planeta, não possui esse luxo. O fato dele ter apagado o tweet e ainda feito piada com o erro mostra que ele é capaz de baixar as defesas e se divertir consigo mesmo.

Em termos práticos, covfefe teve o mesmo efeito de quando Jimmy Fallon bagunçou a cabeleira presidencial em seu talk show – um momento engraçado e caloroso, que humanizou o então candidato, para o horror de jornalistas e agentes partidários. A diferença é que, dessa vez, não existe ninguém pra culpar e forçar a mão até se desculparem. Quem possibilitou que Trump saísse com uma imagem positiva dessa foram os próprios repórteres que não conseguiram conter a histeria sobre um simples erro de digitação enquanto o presidente dormia.

Se eles não podem culpar alguém, eles vão culpar o próprio Trump e eu e você, por nos divertirmos com a situação. É a magia da imprensa atual, que consegue transformar até um erro alheio em razão para serem ainda mais odiados.