A Singular Cultura da Coreia do Norte

Modo Noturno

Além do aparente progresso em seu programa nuclear, a nação mais isolada do mundo chama a atenção pelas suas tradições locais. A cultura da República Popular Democrática da Coreia gira em torno do culto aos três líderes da Dinastia Kim, retratados como revolucionários geniais, do desejo de unificar a Península Coreana, da exaltação da Pátria e de valores tradicionais como a força e o esforço do trabalhador e do estudante.

Frequentemente, os japoneses –que ocuparam a Península Coreana por décadas estuprando mulheres, promovendo genocídios e proibindo a prática da cultura local– são retratados como vilões imperialistas no cinema, no teatro e nas canções. Idem para os norte-americanos, que se uniram contra os comunistas na Guerra da Coreia.

Cinéfilo fervoroso, Kim Jong-Il, que liderou a Coreia antes de seu filho Kim Jong-Un, concebeu, escreveu e produziu cada filme feito no país. Em 1978, ele arquitetou o sequestro de Shin Sang-ok, um renomado diretor de cinema, e de sua ex-mulher, que na época era a mais famosa atriz da Coreia do Sul, Choi Eun-hee. Visando conquistar a confiança do líder, o casal trabalhou junto para criar uma série de filmes que enalteciam a história e o governo norte-coreano. Um desses filmes foi ‘’Pulgasari’’, que é claramente baseado em Godzilla. Nele, um monstro gigante de ferro luta contra a corrupção na Coreia Feudal.

A República Popular Democrática da Coreia também promove, a cada dois anos, um evento peculiar: O Festival Internacional de Cinema de Pyongyang. Nele, são reproduzidos filmes de países do mundo inteiro (inclusive do Japão). Alguns dos filmes norte-coreanos que fazem sua estreia nesse festival são distribuídos em vários outros países. É o caso do filme ‘’Han Nyeohaksaengeui Ilgi’’, que foi comprado por uma empresa francesa, ou de ‘’A Camarada Kim Quer Voar’’, que é um filme produzido por belgas, ingleses e norte-coreanos e reproduzido posteriormente em Toronto e São Paulo.

As músicas do país também são únicas, e a melodia de muitas delas é impressionante. Os norte-coreanos se aperfeiçoaram em uma variedade extensa de gêneros musicais. Ouvi-las é como embarcar em um pequeno avião da Air Koryo e aventurar-se explorando a cultura local, distante da influência do mundo ocidental.

Mario Luccas Carneiro
(O único) Editor e roteirista do canal Jotalhão Reacionário.